Como lidar com a competição na era da luz?

Muitas pessoas ainda vivem sob o velho paradigma da competição árdua, são extremamente materialistas, valorizando excessivamente aspectos do ego e não da essência.

Mas o que mais importa não é querer mudá-las e, sim, mudar a maneira como nos sentimos em relação a elas e suas atitudes, não permitindo que nos afetem, causando-nos frustração e sofrimento.

Sofremos quando não aceitamos a realidade como ela se apresenta, ou quando não aceitamos o outro como ele é realmente. Ninguém tem o direito de mudar o outro, de acordo com o ponto de vista pessoal, porque a sua percepção pode estar distorcida.

As considerações do que é certo e errado para nós podem ser totalmente opostas para outras pessoas, basta entendermos quais são os valores de cada uma. E é bom lembrar que nós enxergamos apenas 5% do que aquela pessoa realmente é, ou seja, desconhecemos a sua história e a situação que as levam a tomar certas decisões na vida.

Se estamos ficando para trás, tais situações podem ser um despertar para nós não ficarmos parados no tempo. Talvez essas pessoas competitivas ou as situações desagradáveis que elas criam para nós, gerando sentimentos negativos que nos incomodam, sejam uma forma que a vida está encontrando de nos desalojar, fazendo delas uma espécie de trampolim para nossa mudança e crescimento.

É preciso parar o caos

Antes de uma conquista maravilhosa em nossa vida, antes do crescimento ou do sucesso vem o caos, e esse caos é um incômodo profundo em que prometemos para nós mesmos que não permitiremos que tais situações continuem a ocorrer sem uma solução completa e transformadora.

Talvez a mensagem dos competitivos seja a de nos fazer parar todo esse movimento (de incômodo) e entrar em nós mesmos, numa profunda busca de autoconhecimento, para elevarmos os nossos pontos fortes e melhorarmos os pontos fracos, e entendermos que precisamos acessar nosso poder pessoal e não devemos permitir certos abusos nas relações.

Precisamos ser mais alertas, mais sábios, usar nossa intuição e maturidade para saber qual atitude tomar diante de tudo isso. Essa é, sem dúvida, uma grande oportunidade de crescimento.

Pagar o mal com o bem

Por fim, além da empatia, precisamos ter compaixão dessas pessoas que precisam diminuir as outras para se sentir melhores, porque, na realidade, elas se sentem de acordo com o seu grau de posses, portanto, fazem de tudo para ficar acima, porque, para elas, os aspectos de poder pessoal estão no exterior e não no interior de alguém.

Para estarmos em equilíbrio, muitas vezes, é até interessante deixar o objeto de desejo para elas, porque a disputa será ferrenha e poderemos sair machucados. Sigamos pelo caminho da cooperação, do altruísmo, da empatia, e teremos o retorno disso tudo, mais cedo ou mais tarde, mas não tentemos nos igualar aos competitivos, nem desejemos coisas negativas para eles, porque isso apenas afetará a nós mesmos.

Eu costumo dizer que é melhor lembrar deles em nossas orações, meditações e práticas energéticas, desejando-lhes bem tão grande que eles possam estar em outro território, com oportunidades maiores e deixando o nosso caminho em paz!

Muita Luz

Edgar Martins

Fonte: https://osegredo.com.br/como-lidar-com-a-competicao-na-era-da-luz/

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário abaixo:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!