Ísis a Deusa Virgem – Mãe

Ísis, a natureza personificada. Em
egípcio e copta, Uasi, reflexo feminino de Uasar ou Osíris. É a “mulher vestida
de sol”.
Filha e mãe de Osíris. É a Mãe ou
matriz da Terra. É também a Deusa que dá vida e saúde.
Ísis é uma Deusa lunar por estar
relacionada ao nosso satélite, devido aos mistérios lunares e por certas
considerações a respeito da fisiologia e natureza da mulher, tanto física como
psiquicamente.
A Ísis eram consagrados a íbis e o
gato.
Como Deusa lunar, era frequentemente
representada com a cabeça de tal ave, visto que a íbis branco e preto era uma
imagem da lua que é branca e brilhante do lado iluminado pelo sol, e negra e
obscura do lado oposto.
O gato é outro dos símbolos lunares.
O ovo era igualmente consagrado a
Ísis, porque simboliza a origem da vida.
Ísis é quase sempre representada com
um lótus em uma das mãos, e na outra um círculo e uma Cruz Ansata. Como Deusa
de mistério, é representada geralmente com o rosto coberto por um véu
impenetrável (O Véu de Ísis) e no frontispício de seu templo em Sais viam-se
escritas as seguintes palavras:
“Sou tudo o que foi, é e será, e
nenhum mortal jamais retirou o véu que oculta minha divindade aos olhos
humanos”.
Contudo, há pouco tempo já se levantou
uma ponta deste véu.
Plutarco escreveu: “… devemos ouvir
as histórias e fábulas e aceitá-las de quem as interpreta, com espírito reverente
e filosófico”.
O grego Platão testemunhou sobre esses
Mistérios, assim:
“Em consequência dessa divina
iniciação, convertemo-nos em espectadores de benditas visões singulares,
inerentes à Luz pura, e nós mesmos nos purificamos e nos libertamos da roupagem
que chamamos corpo, ao qual estamos agora ligados como uma ostra à sua concha”.
Na tradição egípcia, “aquele que
conhece o Nome tem o Poder”. Por isso também Ela, Ísis, merece o cognome de
Poderosa.
 
Tanto a religião como a magia egípcia
tornaram-se inconcebíveis para o homem moderno quando ele perdeu a capacidade
de pensar em termos simbólicos, de estabelecer verdades em uma linguagem
análoga.
No Papyrus de Turin constatamos ser
esta deusa a Mediadora entre o celestial e o terreno. Dela foi dito: “Aquela
que amou os deuses: aquela que melhor amou o reino dos espíritos”. Ocupava um
lugar intermediário, na teologia egípcia, tal como a própria terra de Khem, à
época: ponte entre o passado primordial e o futuro secular e materialista,
entre o sagrado e o profano.
São palavras atribuídas à Deusa Ísis:
“Revelei à humanidade iniciações
místicas. Ensinei a
      reverência pelos deuses, estabeleci os
templos”
Todas as experiências dos Mistérios,
em linhas gerais, convertiam-se em duas vertentes, que formavam a essência das
revelações recebidas: naqueles chamados de Mistérios Menores, ou Mistérios de
Ísis, os candidatos conheciam a alma humana e resolviam o mistério da morte.
Nos graus mais adiantados, os
Mistérios Maiores, ou Menores de Osíris, conheciam a Alma Divina:
“Eram
levados à comunhão pessoal com o Criador”.
Revelava-se-lhes, então, a autêntica
historia da Atlântida, intimamente ligada À Queda do homem.
Ísis, a contraparte, o complemento de
Osíris, encarna o princípio feminino.
Através dos seus tratados médicos,
fica evidenciado o conhecimento que os egípcios tinham de que os vasos
sanguíneos nascem do coração, espalhando-se para todos os membros. Daí, para
eles, o coração ser o órgão do pensamento, a “sede da mente”. O órgão onde se
inscrevem carmicamente as ações dos indivíduos. Para esse povo antigo, era o
coração que falava contra as pessoas no Juízo – que é o julgamento de cada um.
Portanto, o órgão do Amor, por excelência.
Irmã e esposa de Osíris, irmã de Set,
irmã gêmea de Nephtys, mãe de Hórus e deusa protetora de Anset. Foi responsável
por proteger Hórus de Set durante sua infância, por ajudar o marido a reviver e
assisti-lo no governo da Terra dos Mortos.
Talvez a mais importante deusa de toda
a mitologia egípcia, assumiu os atributos e funções de virtualmente todas as
outras deusas maiores do país: as mais cultuadas eram aquelas da maternidade,
devoção marital, cura, feitiços e encantamentos.
Considerada a mais poderosa magista do
universo, aprendeu o Nome Secreto de Ra da própria divindade. Seu culto parece
ter sido originalmente concentrado em Abydos, próximo ao Delta do Nilo, mas
após ser admitida na família de Ra pelos sacerdotes de Heliópolis a partir do
Novo Reinado, tornou-se cultuada em todo o Egito, assim como seu esposo.

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário abaixo:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!