NATUREZA

Dependemos da natureza não apenas para nossa sobrevivência física.

Precisamos dela também para mostrar-nos o caminho para dentro de nós, para libertar-nos da prisão da mente. Ficamos perdidos fazendo coisas, pensando, lembrando, prevendo perdidos nas complicações e num mundo de problemas. Esquecemos o que as pedras, as plantas e os animais ainda sabem. Esquecemos como ser — ser calmos, ser nós mesmos, estar onde a vida está: Aqui e Agora.

Sempre que você presta atenção em alguma coisa natural, em qualquer coisa que existe sem a intervenção humana, você sai da prisão do pensamento e de certa forma entra em conexão com o Ser no qual tudo o que é natural ainda existe.

Prestar atenção numa pedra, numa árvore, num animal não é pensar nele, mas simplesmente percebê-lo, tomar conhecimento dele.Então, algo da essência desse elemento da natureza se transmite a você. Sentir a calma desse elemento faz com que a mesma calma desponte no seu interior.

Você sente como ele repousa profundamente no Ser – unido ao que é e onde é.Ao se dar conta disso, você também é transportado para um lugar de repouso no fundo do seu ser. Ao caminhar ou descansar em meio à natureza, respeite esse reino deixando-se estar totalmente nele.

Pare e fique em silêncio. Olhe. Ouça.Veja como cada planta e cada animal são completos em si mesmos.Ao contrário dos seres humanos, eles não se dividem.Não precisam afirmar-se criando imagens de si mesmos, e por isso não precisam se preocupar em proteger e realçar essas imagens.

O esquilo é ele mesmo.A rosa é ela mesma.Tudo na natureza é um e, ao mesmo tempo, é um com o todo.Nenhum elemento se afastou do tecido do todo em busca de uma existência separada: “eu” e o resto do universo.

Contemplar a natureza pode libertar você desse “eu”, que é o grande causador de problemas.Preste atenção nos inúmeros pequenos sons da natureza: o farfalhar das folhas ao vento, os pingos da chuva, o zumbido de um inseto, o primeiro trinar de um pássaro no alvorecer.

Dedique-se inteiramente ao ato de ouvir.Para além dos sons existe algo maior: um sentido de sagrado que não pode ser entendido através do pensamento.Você não criou seu corpo nem é capaz de controlar as funções dele.

Uma inteligência maior do que a mente humana encontra-se em ação.É essa inteligência que mantém tudo na natureza.Você pode se aproximar dessa inteligência percebendo sua própria energia interna, sentindo a presença da vida dentro do seu corpo.

A disposição e a alegria de um cãozinho, seu amor incondicional e sua presteza em festejar a vida a qualquer momento costumam contrastar muitas vezes com o estado interior do dono do cão -deprimido, ansioso, cheio de problemas, esmagado por pensamentos, ausente da única hora e do único lugar que existe: o Aqui e o Agora.

A gente até se pergunta: como é que o cãozinho consegue continuar tão alegre e sadio vivendo ao lado dessa pessoa?Quando você percebe a natureza apenas através da mente e do pensamento, não pode sentir a força de vida presente nela.

Você só vê sua forma e não se dá conta da vida que existe dentro da forma – o mistério sagrado.O pensamento reduz a natureza a uma mercadoria a ser usada para obter lucro, conhecimento ou qualquer outra vantagem utilitária.

A floresta secular fica reduzida a madeira rentável, o pássaro se transforma num projeto de pesquisa, as montanhas são massas de pedra e terra a serem exploradas ou conquistadas.

Ao se aproximar da natureza, deixe que haja espaços onde a mente esteja ausente e não existam pensamentos. Ao deixar-se estar dessa forma na natureza, ela vai lhe responder e participar da evolução da consciência humana e planetária.

Perceba como uma flor é presente, como ela se entrega à vida.Você já olhou bem atentamente para aquela planta em sua casa? Já permitiu que aquele ser familiar mas misterioso que chamamos de planta lhe ensine seus segredos? Já percebeu a profunda paz que emana dessa planta? Já sentiu como ela está cercada por um campo de calma?

No momento em que você percebe a calma e a paz que emanam de uma planta, ela se torna sua mestra.Observe um animal, uma flor, uma árvore, e veja como eles repousam no Ser.

Sinta a imensa dignidade, inocência e dimensão do sagrado que existem neles. Mas, para perceber isso, você precisa superar o hábito de dar nomes e rótulos. Assim que consegue ver além dos rótulos impostos pela mente, você sente a dimensão inefável da natureza que não pode ser entendida pelo pensamento ou pelos cinco sentidos do corpo.

Há uma harmonia, um sentido do sagrado que permeia não só a natureza como um todo, mas que também está dentro de você.O ar que você respira é natureza, como também é natureza o próprio ato de respirar.

Preste atenção na sua respiração e perceba que não é você quem a controla.É a respiração da natureza. Se você precisasse lembrar de respirar, morreria logo. E, se tentasse parar de respirar, a natureza se encarregaria de manter a respiração.

Ao sentir a respiração e ao aprender a prestar atenção nela, você se conecta à natureza da forma mais íntima e poderosa.É um ato extremamente curativo e reabastecedor. Ele promove uma mudança, passando do mundo conceitual do pensamento para o mundo interior da consciência livre de condicionamentos.

Você precisa da natureza como sua mestra para ajudar a religar-se com o Ser. Mas não é só você que precisa da natureza. Ela também precisa de você.Você não é separado da natureza. Todos nós fazemos parte da Vida Única que se manifesta de inúmeras formas no universo – formas completamente interligadas.

Quando reconhece o sagrado, a beleza, a incrível calma e dignidade de uma flor ou de uma árvore, você acrescenta algo à flor ou à árvore.Através de seu reconhecimento, de sua percepção, a natureza também passa a se perceber. Através de você, ela passa a perceber sua própria beleza e seu próprio caráter sagrado!

Há um grande silêncio envolvendo toda a natureza num abraço.Esse silêncio também envolve você.Só quando mantém a calma e o silêncio em seu interior é que você pode alcançar a região de calma e silêncio em que vivem as pedras, as plantas e os animais.

Só quando o barulho de sua mente silencia você se torna capaz de ligar-se à natureza num nível profundo e ultrapassar a sensação de separação causada pelo excesso de pensamento.

Pensar é um estágio da evolução da vida.A natureza existe numa calma inocente que antecede o surgimento do pensar.A árvore, a flor, o pássaro e a pedra não têm noção de sua beleza e de seu caráter sagrado.

Quando os seres humanos conquistam a calma, eles vão além do pensamento.Na calma e no silêncio há uma dimensão adicional de conhecimento e de percepção que fica além do pensamento.

A natureza pode levar você à calma interior. É um presente dela.Quando você sente a calma da natureza e participa dela, essa calma fica permeada e enriquecida pela sua atenção.Esse é o seu presente para a natureza.

Através de você, a natureza toma consciência de si mesma.A natureza tal como é esperou milhões de anos por você.

Muita Luz,

Edgar Martins

Fonte: http://misticismonaturalmn.blogspot.com/2016/08/natureza-eckhart-tolle-7.html

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!