O que é e como funciona a Canalização ?

O contato telepático com consciências multidimensionais não só traz informações essenciais para o
progresso da humanidade como também acelera a evolução do próprio canal.
Canalização é um termo relativamente novo no universo dos
fenômenos espirituais e, justamente por isso, seu significado ainda não é bem
compreendido.

Embora seja também um processo utilizado por entidades espirituais para
comunicar-se com o mundo físico, a canalização
é bem diferente do fenômeno da incorporaçãovivenciada
pelos médiuns espíritas.

A
comunicação mediúnica acontece entre seres que estão em condições
diferentes (encarnados e desencarnados), mas que são da mesma “espécie” humana.

Já na canalização, há o intercâmbio do
ser encarnado com um tipo de inteligência ou consciência de evolução mais
adiantada e, freqüentemente, pertencente a civilizações extraterrenas. 

Esse contato se processa por meio da mente
supra-consciente do canal e, normalmente,
destina-se à transmissão de ensinamentos espirituais, científicos ou
filosóficos que estão muito além do conhecimento do receptor.

Para
o entendimento da canalização, é preciso levar-se em conta dois fatores: que somos muito mais do que só matéria
física, mas um complexo de energia radiante, que emite e recebe freqüências de
maneiras ainda não totalmente conhecidas pela ciência terrestre; e que existem
outras dimensões de existência além dessa em que nos encontramos, nas quais
seres de energias físicas e não-físicas recebem e emitem freqüências que podem
ser captadas por seres adequadamente sintonizados.
 
                 Allan Kardec                               Edgar Cayce
Canalização
pode ser um termo relativamente novo, mas, como fenômeno, é bastante antigo.
Ela tem servido como ferramenta evolucional ao longo de toda a história
terrestre.

Nos registros históricos da Bíblia,
do Alcorão e do Torá (só para citar os livros mais
aceitos mundialmente), não faltam referências à canalização praticada por
profetas e mensageiros divinos.

Da segunda metade do Século XIX em
diante, a intensificação da canalização provocou um verdadeiro boom
espiritualista no ocidente, lançando a humanidade a um novo patamar de
consciência. Entre inúmeros canais famosos, que produziram obras de grande
profundidade e qualidade, destacam-se Allan
Kardec, decodificador da doutrina espírita
e Edgar Cayce, que também se notabilizaram pela extensa e
revolucionária obra que ajudaram a materializar.                    
Em
meados de 1970, o surgimento de vários canais americanos deu ainda mais
visibilidade ao fenômeno. Não porque os EUA fossem privilegiados, e, sim,
devido à sua forte influência na cultura e nos meios de comunicação do planeta.
Tornaram-se mundialmente famosos os canais Jach
Pursel e seu mentor Lazaris; Jane
Roberts e Seth; Pat
Rodegast e Emmanuel; Eva
Pierrakos e O Guia; Hellen
Schucman e A Voz de Um Curso em Milagres (Mestre Jesus), para citar só alguns.
É
dessa época a incrível experiência vivida pelo cientistaJames Hurtak.

Certo dia, recolhido em oração, ele teve contato com um ser de luz que se
apresentou como Ophraim Enoch e, em seguida, foi levado a dimensões do
espaço onde recebeu uma enorme quantidade de informações.

A partir dos conhecimentos recebidos, Hurtak
escreveu As Chaves de Enoch,
um clássico da metafísica.

Famosa
é também a experiência de Ken
Carey, que, em 11 dias de forte nevasca,
recebeu os conhecimentos publicados no livro As Transmissões da Estrela-Semente.

Carey relata que as transmissões começaram de forma não-verbal, em ondas ou pulsações,
com um conteúdo simbólico conciso.

Automaticamente, as palavras ou frases mais aproximadas na língua inglesa iam
brotando. “Quando entrava em contato com essas inteligências
espaciais, parecia que nossos campos gravitacionais se fundiam, nossa
consciência se misturava e todo o meu sistema nervoso ficava à disposição
deles.”

No
Brasil, a canalização também tem os seus expoentes. Marizilda Lopes, talvez uma das primeiras a receber
informações de seres multidimensionais, relata no livroOperação Resgate como tudo começou. Certo dia, ela
ouviu uma voz alta em seu ouvidos internos que lhe avisava para buscar seu
Mestre Interior. Tinha sonhos intensos e visões e começou a comunicar-se
com os seres que via. Numa noite, eles colocaram-lhe moléculas de luz no corpo,
nas áreas onde sentia dores, e, depois de algum tempo, ela não só estava livre
dos problemas físicos como também era capaz de entender as mensagens
telepáticas que recebia.

“Eu dou a nota de comando quando quero penetrar nesta energia. Torno-me
quieta, receptiva, adentrando meu coração no centro do peito. E, na luz,
penetro na freqüência deles. Não há preocupações sobre com quem estarei ou para
onde vou, pois sou convicta de que, na luz de meu ser, nada pode ferir ou
machucar, mas conduzir aos portais da sabedoria internos. Não busco formas,
nomes ou seres, somente a fonte da luz irradiante onde tudo é. Na luz total,
branco cristalina, tudo é unido, nada é separado, englobando todos os seres.
Procuro ser total nessa ação, sem me preocupar com os resultados. A importância
está na entrega por amor a Cristo”,
 diz Marizilda.
O
processo vivido por outro conhecido canal brasileiro, Heloísa Fagundes, é também muito intenso. Ela era uma
profissional de pesquisa de mercado e de marketing que acreditava somente na
vida física e em uma Força
Ordenadora Divina. Certo dia, um de seus filhos começou
a psicografar e a incorporar entidades, falando inclusive em outras línguas.
Heloísa buscou no kardecismo as explicações para os fenômenos e, logo, também
começou ser contatada.
Durante
anos, recebeu mensagens de seres extraterrestresmas não tinha coragem de divulgá-las. Sempre que
eles se apresentavam, ela interrompia a comunicação, pois não acreditava em
vida inteligente fora da Terra. Até que, um dia, chegou às suas mãos um
exemplar da revista de canalizações Amaluz, e então, emocionada, ela descobriu que os
contatos com inteligências de outras dimensões também aconteciam com outras
pessoas. Hoje, canaliza oralmente as mensagens de seres multidimensionais dos
mais variados pontos do Universo.
Estado
receptivo – Cada vez mais pessoas estão sendo contatadas ou sentindo um
impulso, uma necessidade de entender e, talvez, dedicar-se à canalização.
Apesar de o desejo de canalizar ser importante, é necessário ter a capacidade
de praticar a meditação.
A
canalização só ocorre com o “desligamento” da mente consciente do
canal, que é o que proporciona o estado de receptividade necessária para a
sintonia com a consciência que deseja estabelecer o contato. Cada canal
trabalha com uma profundidade específica de desligamento ou transe.
Os
transes podem ser leves, permitindo à pessoa que canaliza ter consciência do
que está fazendo; médios, nos quais o canal percebe parcialmente o que fala ou
escreve; e profundos, em que o receptor fica completamente inconsciente durante
a canalização, pois sua personalidade ausenta-se.
Muitas
vezes, a canalização é uma tarefa assumida no acordo
pré-encarnatório da pessoa e, chegada a hora, manifesta-se intensamente na vida
dela.

Mas pode-se também desenvolver essa
faculdade, como qualquer outra, por meio da disciplina e da prática.

Ao
trabalhar como canal, o indivíduo não apenas está servindo àsconsciências de Luz que
desejam auxiliar o progresso terreno, mas, também, sendo ele próprio acelerado
em sua evolução pessoal.

Na medida em que toma contato com os seres
multidimensionais, a pessoa começa a compreender que, no
Universo, todos os seres e inteligências são oriundos da mesma fonte que é Deus;
que a Unicidade é o real estado de existência de todos nós; e que, conforme
aceitamos outras dimensões de consciência, estamos habilitando-nos a
vivenciá-las. São muitos os fatos, os relatos e, principalmente, as
dúvidas e suposições sobre a canalização. 


Mas fiquemos com a colocação de Maurice
B. Cooke, um executivo canadense de formação
científica que considera infrutífero investigar a natureza exata da canalização
e das fontes que a transmitem para se ter certeza daquilo com que se está
lidando. “Um teste muito melhor é examinar as sensações e
impressões provocadas pela leitura do material transmitido. Se o tom geral da
informação é de elevação espiritual e encorajamento, se apresenta uma visão
superior da realidade, então vale a pena levar em conta o material”
, resume Cooke.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

1 Comentário

  1. Anônimo disse:

    Ótimo post, só corrigindo um pequeno dado, Allan Kardeck não foi o médium que 'escreveu' os livros, ele usou ''médiuns'' para fazer isto por ele, naquela época, mais fontes dizendo o mesmo conteúdo seria de muito valor, para que as mentes céticas pudessem então acreditar.
    Abraços de luz
    Marcelo