O REIKI E O EGO – UMA NOVA ABORDAGEM.

Muitos de nós temos uma ideia errada acerca do que é o Ego . O Ego é algo indissociável do ser humano, pois não é mais do que exteriorização do resultado do nosso dialogo interior que ocorre no nosso mais profundo “Eu”. Nesse diálogo existe uma luta constante entre o que está certo e o que está errado, em que os nossos valores morais e espirituais estão constantemente a ser postos à prova quer por acontecimentos exteriores ou por processos mentais ou espirituais que se passam no nosso interior. 

Os problemas de Ego surgem quando não existem valores ou estão mal definidos em nós. Por isso o Ego faz parte de nós, e muitas das vezes somos levados a crer por muitos artigos e estudos que o Ego é um “bicho papão” que devemos suprimir das nossas vidas se queremos evoluir espiritualmente. Mas manifestar o nosso Ego é algo natural, o que devemos temer é a falta de valores morais e espirituais, que levam a que o dialogo que ocorre  no nosso interior nos transforme e domine os nossos pensamentos e ações, de forma negativa e desequilibrada.  Há quem defenda que o Ego é aquilo que realmente somos sem quaisquer filtros de valores e educação incutidos. Pessoalmente estou em desacordo, pois o Ego como os próprios defendem é uma manifestação exterior do nosso Eu. Por isso se pensarmos bem, não existe uma manifestação exterior do nosso Eu,  sem que passe pelo crivo desse dialogo interior.

O que são os problemas de Ego?

Há quem defenda que os problemas provocados pelo Ego residem no excesso dele ou falta dele. Mas julgo também não ser bem assim. Tendo em conta o que disse anteriormente, os problemas de Ego existem quando ele se manifesta de forma desequilibrada. Por isso o ego existe e manifesta-se, o que devemos temer é somente quando existe um desequilíbrio. O que mais assusta nisso tudo é o fato desse processo e seu produto serem resultantes  de nós mesmos e daquilo que somos, por isso muitas das vezes esse desequilíbrio passa despercebido. Por isso sem nos darmos conta, deixamos que o desequilíbrio do Ego, afete a nossa imagem perante os outros e desequilibre a nossa vida, em nossas ações ou inações. No entanto não podemos esquecer que existe para além dessa manifestação do Ego, a consciência de aceitação. A consciência da aceitação nada mais é que opressão da exteriorização do Ego, temendo a reação do mundo exterior relativamente às verdadeiras intenções da pessoa. A isso chamamos falsidade. É aqui que entra o reequilíbrio do Ego e a verdadeira solução para os problemas de Ego.

Consciencia do Ego é o primeiro passo para a solução do problema.

O problema é que poucos têm noção dos desequilíbrios do Ego e assumem esses mesmos desequilíbrios do Ego como uma situação normal, isto porque ninguém quer saber se tem Ego, e a maioria assume que nem tem, mas todos temos mais ou menos e tudo passa por equilibrar esse mesmo ego. E só quando nos sentimos totalmente realizados em todos os níveis e com este equilíbrio, é que estaremos no nosso caminho evolutivo . Por isso se torna tão difícil tratar o Ego e a maioria nem tem consciência dele, o que faz com que ande iludido uma vida inteira com os Egos que foram impostos pela sociedade, os falsos Egos. Ao não olhar para dentro o indivíduo nunca encontrará os seus desequilíbrios do Ego, então não saberá quem é o seu real inimigo. Sem defesas e sem noção, vamos caminhando, sem perceber que tudo o que é certo e errado está em nós e sempre somos  nós que fazemos a nossa realidade atraindo e repelindo todas as situações e pessoas. Fazendo com que as nossas vidas cheguem a “situações limite”.

Conexão do Ego com  o nosso “Eu” superior.

Ego quer dizer “Eu” em latim, e o equilíbrio passa por unir esse Eu com o Eu superior que é uma parte de nós que continua intacta no Universo. Todos nós somos partes ( emocionais, práticas, pensantes, curadoras, e todas as características possíveis) mas nem tudo reencarna aqui na Terra. Apenas o que tem de ser equilibrado e os Egos vêm sempre, porque grande parte do equilíbrio vem daí. As outras partes continuam intactas no Universo. É como aquele dinheiro que vamos guardando para usar quando tudo o resto falhar. Porém com o Eu superior nada falha pois estamos falando de uma consciência totalmente sábia e que vai muito além do possamos imaginar.

Vamos identificar alguns tipos de Ego:
  • Ego POR ELE SÓ. Não consegue desapegar de nada nem de ninguém. Muita dificuldade em partilhar por medo de perder, em que chega a sufocar por excesso de controle.
  • Ego INSACIÁVEL. É o ego “centro de mesa”. Não gosta de passar despercebido e faz qualquer coisa para chamar a atenção. A maioria das vezes se aborrece.
  • Ego INTERRUPTOR. A sua necessidade de auto referência é tão forte que interrompe frequentemente, nunca deixa que os outros terminem de falar.
  • Ego IMPACIENTE. Não espera por nada nem ninguém. Até para ele próprio não tem paciência. Faz tudo correndo e não consegue permanecer quieto, acabando por não finalizar nada. Até quando fala parece uma “metralhadora”, não medindo sequer o que diz. Tudo  faz com impaciência chegando ao ponto de comer em 5 minutos.
  • Ego INVEJOSO. É o que não suporta os triunfos e êxitos dos outros. Colocando para baixo os que crê que são melhores que ele.
  • Ego PRESTIGIOSO. É o ego que busca aplausos reconhecimento e admiração em tudo o que faz. Sempre quer ser o melhor. Frequentemente diz “ Eu avisei”, “Eu sabia” , “Eu te disse, mas nunca me escuta”. São também os perfeccionistas que tentam ao máximo pôr tudo no lugar, achando que só eles conseguem, criando intolerância para com o próximo.
  • Ego APROVEITADOR. Aproveita-se do que dizem os outros para seu próprio beneficio. Tira partido do que dizem  para fazer  intervenções a seu favor. É um imitador, um usurpador.
  • Ego ESPIRITUAL. Aquele ego que acha que é “esponja” e absorve tudo dos outros para os curar, quando na verdade está apenas trazendo próprias trevas para as curar. Pensa assim que é muito “especial” e pode atirar isso na cara dos outros com desculpas de cursos e mediunidade.
  • Ego SURDO. Nunca escuta, gosta de falar só dele e habitualmente finge escutar, mas depois faz tudo ao contrário só para manter posição. Gostam de fazer tudo sozinhos, chegando ao ponto de não deixarem ninguém fazer parte de suas vidas, criando uma independência fora do normal.
  • Ego MANIPULADOR. É aquele ego astuto que sempre quer que as coisas resultem a seu favor, mentindo, enganando, usurpando. É esse ego competitivo e argumentativo que não gosta de perder.
  • Ego ORGULHOSO. É aquele ego competitivo, discutidor, que não gosta de perder. Aqui também entra as almas que não gostam de pedir ajuda e pensam que conseguem fazer tudo sozinhas. Tentam fazer o trabalho deles e dos outros ou uma quantidade de coisas ao mesmo tempo, nunca conseguindo parar nem para férias para depois apontar o dedo dizendo “ sou eu que faço tudo aqui”, “ ninguém me ajuda em nada”.
  • Ego SILENCIOSO. É aquele ego que silenciosamente tem um discurso paralelo, é crítico e hipócrita . Este ego muitas vezes tem como base o pensamento, tudo feito em sua cabeça, em que há julgamento dos outros a toda a hora ou em que permanece falando consigo mesmo horas sem fim num discurso que a lado nenhum leva e só o põe numa sintonia negativa.
  • Ego EXCESSIVO. Todo aquele que leva em demasia hábitos e vícios (gula, tabaco, drogas, compras, solidão, prazer, festas, medicamentos, etc, etc) para ter um escape da própria natureza e não enfrentar os seus próprios sentimentos . Só assim consegue manter a “aparência” que tanto lutaram para ter. Caso contrário, sem escapes, começamos a ficar instáveis e parece que perdemos o chão. Coisa que o Ego detesta.

A influencia do Ego no Reiki

Uma parte importante do nosso bom desempenho no Reiki, como praticantes ou como terapeutas, é não “contaminarmos” o fluxo de energia que canalizamos em cada sessão de reiki.  Pois sim essa contaminação é possível. Podemos contaminar a energia que canalizamos mesmo sem querer. Isto deve-se aos tais desiquilíbrios do ego e a sua própria percepção. Quando julgamos ser melhores que os demais, por sermos reikianos,  quando fazemos juízos de valor dos nossos pacientes e suas situações, estamos sem querer a contaminar o nosso fluxo. Por isso é importante focarmo-nos na auto percepção do nosso Ego, para tal devemos praticar muito a auto- aplicação do reiki e colocarmos em pratica no nosso dia-a-dia os 5 princípios do Reiki. Só dessa forma vamos elevar a nossa consciência para que possamos mais facilmente equilibrar o nosso Ego.

Algumas medidas para começar a equilibrar o seu Ego:
  • Ouça antes de responder. Faça um esforço consciente.
  • Medite todos os dias. Comece por 5 minutos e aumente até completar uma boa dose de silêncio e silêncio interior
  • Evite tirar conclusões precipitadas
  • Elimine a palavra “eu” do vocabulário, quando inicia as suas frases. Pode substituir com outras expressões para dar contexto quando quer expressar as suas ideias como por exemplo: “Da minha perspectiva …”, “iria fornecer um outro ponto de vista”, “uma visão diferente desta coisa é…”.
  • Respeite o próximo. Considerar qualquer pessoa qual seja a sua situação como um igual a si com direitos iguais, mesmo nas coisas mais elementares, é um enorme passo, que o vai despojar de fora para dentro de todos os desiquilíbrios do Ego.
  • Não elogie a si mesmo, seja direta ou indiretamente.
  • Não trate de colocar-se como centro das atenções.
  •  Não fale demais.
  •  Não se gabe das suas boas ações.
  • Não demonstre o seu conhecimento superior.
  • Não aceite elogios.
  • Não demonstre sentimentos ou pensamentos de superioridade.
  • Não procure lugares ou companhias com a intenção de melhorar a sua condição pessoal social ou financeira.
  • Não procure a companhia de gente que o bajule, nem exiba as suas posses.
  •  Não use o seu conhecimento, nem minta para impressionar os outros.
  • Não faça fale mal ou inverdades acerca dos outros quando não estão presentes, nem permita que os outros o façam.
  • Use os 5 princípios do Reiki  como pilares da sua atitude perante a vida.
  • Faça auto aplicação de Reiki diariamente;

Mas a real arma é ter consciência dele e começar a mudá-lo no seu dia a dia.

Entenda: não há nada de errado em amar-se  e colocar-se em primeiro lugar; enquanto não formos obtusos em ver a realidade, olhando em volta e nos outros, e agindo como seres sociais que somos. Busque equilibrar sua vida de maneiras saudáveis moldando seus traços de personalidade prejudiciais. Assim, em pouco tempo, começará a desfrutar de maior liberdade, autenticidade, flexibilidade diante de mudanças nas circunstâncias, confiança na verdade e melhores resultados em todos os aspectos da vida.

Muita Luz,Edgar Martins

Fonte: https://vidalusa.eu/o-reiki-e-o-ego-uma-nova-abordagem/

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário abaixo:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!