OS ACESTRAIS DA TERRA E OS SERES ESTELARES – PARTE 1


“O planeta Terra, com sua vegetação luxuosa e
 seu clima prazeiroso, sempre atraiu visitantes.” 

 A Criação de Adão de Michelangelo

(A “arca”de Deus e dos anjos poderia ser um disco-voador?)

  O Sumérios, que formaram a civilização mais antiga oficialmente registrada na história, já falavam em Lemúria e Atlântida. Seus textos eram escritos em tábuas de argila usando o alfabeto cuneiforme e levou esse nome por terem sido escritos com uma espátula em forma de cunha. Essas tábuas de argila, que  foram traduzidas pelo maior especialista em cultura suméria, o historiador e arqueólogo Zecharia Sitchin, e foram guardadas a sete chaves por muito tempo na biblioteca de Nínive pelo rei assírio Assurbanipal II, hoje encontram-se no museu britânico. O mito da criação segundo essa civilização da região mesopotâmia, foi descrito num texto que se chama “ENUMA ELISH” e neste livro os Sumérios dão detalhes de como a Terra se formou, de onde viram seus primeiros habitantes e de como posteriormente afundaram suas duas próximas civilizações: Lemúria e Atlântida. Platão em seu texto “TIMAEUS E CRÍTIAS”, também falou sobre como Atlântida supostamente afundou e desapareceu. Helena Blavatsky, séculos depois,  irá falar outra vez sobre o povo de Lemúria e Atlântida em seus livros. Segundo ela, antes dos Sumérios havia a civilização dos Polarians que viviam em Pangea (Pan – Céu / Gea – Terra). Quando termina esta era, viriam os Hiperboreans. Deles veio Lemúria, um continente que ficava no oceano pacífico e que, devido a uma inclinação acidental da Terra, afundou dando lugar a Atlântida, que surgiu das águas do Atlântico no momento em que Lemúria afundava no Pacífico. Uma vez que o continente de Atlântida também afundou devido a outra inclinação acidental do planeta, surge o que seria a nossa civilização e que foi iniciada pelos Sumérios. Outra vertente deste passado, está fundamentada na religião, no que podemos ler no gênesis da Bíblia. Sobre a formação da vida temos na biologia hipótese heterotrófica e a teoria de Darwin sobre a evolução da espécie. E falando em Darwin temos o elo perdido. E os dinossauros.

 Imperador Jade (Criador do Universo segundo a Mitologia Chinesa)

Na Bíblia encontramos no GÊNESIS – capítulo 6 versículo 4 – uma passagem que até hoje debatem-se os estudiosos.  “Naqueles dias os Nephilins habitavam a Terra.” Os Nephilins eram gigantes que já estavam aqui e juntaram-se aos filhos de Deus.  E quem eram eles? A raça que não afundou junto com Atlântida? Lembremos que na história do Noé, eles também falaram em dilúvio. E daí vemos como que de alguma maneira tudo está interligado. Enquanto a Bíblia conta de uma maneira e os sumérios de outra, os gregos estavam falando em luta de titãs e em extermínio dos monstros infernais. Há um livro chamado “A TEOGONIA” que é um correspondente grego do livro do gênesis. Nele conta-se a criação do mundo do ponto de vista da mitologia grega. Nesse livro, o autor Hesíodo fala da luta dos Deuses Olímpicos com os Gigantes e com os Monstros Infernais – os filhos de Tifón e Eqdina – e que desta luta deu-se o início da nova era. Esses monstros da mitologia grega não seriam os dinossauros? Os Gigantes que Hesíodo descreve, não poderiam ser os Nephilins que aparecem no Gênesis? Os Deuses Olímpicos não poderiam ser uma correspondência dos filhos de Deus que aparecem na Bíblia e que se relacionam com os Nephilins? Golias, o gigante que luta com David numa das passagens bíblicas, não poderia ser um Nephilim? E o Polifemo, o gigante de um olho só, que luta com o herói Ulisses no livro “A ODISSÉIA” de Homero, não poderia também ser uma referência aos Nephilins? Polifemo era filho do Deus Poseidon, o rei dos mares, Ulisses furou-lhe o olho e por isso Poseidon afundou o navio do Odisseu. Temos ainda o gigante Adamastor que, séculos mais tarde, irá aparecer no livro “OS LUSÍADAS” de Luiz Vaz de Camões. Seria esta outra referência ao mito do Nephilim? Aqui vemos mais provas de que os mitos estão todos interligados e –  embora se conte de maneiras diferentes – é bem possível que todos os livros estejam falando da mesma história. Ossada de dinossauros, gigantes, a busca do homem por respostas e alguém registrando a história e associando os dinossauros com os monstros da mitologia grega e os nephilins com os gigantes… É possível. Voltando à teoria dos textos sumérios, na interpretação místico-científica das lendas da formação do mundo, se diz que a Terra em determinado momento chamava-se Tiamat e era muito maior do que é hoje. Esse planeta Tiamat chocou-se com outro planeta chamado Nibiru, descoberto pela ciência há alguns anos e que hoje é conhecido como o Planeta X. Este seria o décimo planeta do sistema solar cuja orbita elíptica circunda o sol uma vez a cada 3.600 anos. Da colisão de Tiamat com este planeta Nibiru, parte se despedaçou formando a lua e os asteróides e a outra parte ficou sendo a Terra. Houve então uma invasão dos seres deste planeta Nibiru sobre a Terra. Conhecidos como Anunnaki, esses seres eram altíssimos e, segundo esta teoria, eles dominaram a Terra por um certo tempo em busca de ouro e relacionando-se de maneira dominadora com os seres da Terra. Estes fatos são narrados em detalhes em “O Livro perdido de Enki ”de Zecharia Sitchin. Neste livro eles, os Anunnaki, também são comparados aos Nephilins que aparecem no gênesis. E sobre esses seres, os sumérios falaram com uma riqueza de detalhes extraordinária. Além disso eles sabiam sobre a órbita do planeta Nibiru, sobre a formação gasosa dos planetas do sistema solar e o mais impressionante são os dados que eles tinham sobre Plutão, planeta que só foi descoberto em 1930. Eles sabiam o tamanho de Plutão, sua composição química e orgânica e afirmavam que Plutão era na verdade um satélite de Saturno que se desprendeu e ganhou uma nova órbita. Eles chamavam a Lua de pote de chumbo e diziam que seu núcleo era uma cabaça de ferro. Esse conhecimento seria possível há 4.000 anos atrás? Acredita-se que essas informações que os sumérios tinham, teriam que ser mesmo trazidas de fora, pois em seu tempo não havia como eles terem tantos dados a respeito do sistema solar e do espaço sem um olhar de fora do planeta Terra. E quanto a isso, o sr. Sitchin não deixa dúvidas. Para ele, o maior especialista e tradutor da cultura suméria, foi assim mesmo que tudo aconteceu. Comparações. Associações. Da mesma maneira que podemos comparar os doze apóstolos aos doze signos do zodíaco – sendo Jesus o décimo terceiro do grupo, aquele que completou o ciclo – e os dez mandamentos de Moisés comparados às dez esferas cabalísticas da árvore da vida como veremos mais adiante, do ponto de vista mitológico, os sumérios referem-se à Tiamat como sendo uma Deusa.  E o sr. Sitchin sugere, por associação e análise do conjunto de dados, que essa Deusa Tiamat é o planeta Terra. Neste caso seria então, Marduk, o Deus Sumério que criou o mundo apartir dos restos de Tiamat, outra referência aos tais Anunnaki/ Nephilins? E não seriam eles os mesmos Polarians e Hiperboreans que cita a sra. Blavatsky como os antecessores das civilizações de Lemúria e Atlântida?

“O Gigante” de Francisco Goya.

  Todos os livros dessas antigas histórias contam que os seres humanos são descendentes dos Deuses. E que esses Deuses eram imortais. Passa que os estudiosos sobre os Nephilins dizem que os seres deste planeta Nibiru viviam muitíssimo e que essa longevidade foi descrita e interpretada como imortalidade. A bíblia diz que Adão viveu 930 anos (Gênesis 5:5),  Seth viveu 912 anos (Gênesis 5:8), Noé viveu 950 anos (Gênesis 9:29). Então poderiam esses personagens bíblicos serem descendentes diretos dos Anunnaki/Nephilins? Entre outros dados sobre as possibilidades dos Anunnaki/Nephilins terem estado em nosso planeta, temos as construções antigas que até hoje ninguém explica como foram feitas. Entre as mais facinantes está o Gobekli Tepe na Turquia. O mais antigo templo da história encontrado até agora, cujos testes de carbono o dataram  10 mil anos A.C., e que aparentemente foi enterrado para que as futuras civilizações não o encontrassem. Por volta de 4 mil A.C, os sumérios desenvolveram a escrita cuneiforme. E este foi o marco da mudança da pré-história para a história. A invensão da escrita. Seria possível então, na pré-história que nem havia escrita, seis mil anos antes dos sumérios a terem inventado, que alguém pudesse construir um templo com engenharia tão avançada?  O mistério que ronda os ancestrais da Terra é enorme e, embora haja em vários pontos do planeta essa arquitetura que ninguém explica como foi feita, principalmente o Gobekli Tepe que é datado seis mil anos anterior à civilização suméria, e os livros antigos falando sobre essas histórias fantásticas dos gigantes, os dados que temos não são considerados pela ciência relevantes o suficiente para uma nomenclatura e registro histórico oficial sobre quais foram essas civilizações anteriores aos sumérios. E se Lemúria e Atlântida  realmente afundaram; e se esses gigantes Anunnaki/Nephilim realmente existiram, foram endeusados por sua altura, longevidade, conhecimentos,  postura repressora e ficaram conhecidos como os anjos caídos do espaço; ou se essas histórias eram apenas mais uma referência mítica às forças da natureza, à lua, ao sol, às estrelas; e os anjos caídos eram apenas o polo negativo das “formas-pensamento” de energia, não temos como comprovar. Ainda.

 Gigantes da Ilha de Páscoa (Mistério)

 Gigante de Antuérpia (Arte)

  Outro ponto interessante para se comparar os ancestrais da Terra aos gigantes lendários, são os faraós do Egito. Sabemos que eles eram considerados descendentes diretos dos deuses. Conta-se que tanto o faraó Akhenaton quanto a sua esposa Nefertiti eram altíssimos. Poderiam ser eles, entre outros faraós, mais alguns dos  descendestes diretos dos Anunnaki/Nephilim? Hermes Trimegistus  – considerado três vezes grande – foi o pai da astrologia, da alquimia, das tradições e segredos ocultos cujos conhecimentos eram passados de boca em boca e eram tão sigilosos que daí veio o termo “hermeticamente fechado”. Ele, Hermes Trimegistus, por sua sabedoria, foi representado no Egito como o Deus THOTH e posteriormente na Grécia como HERMES, o mensageiro dos Deuses. Sobre a vida de Hermes Trimegistus nada se sabe. Drunvalo Melchizedek, em seus livros “O Antigo Segredo da Flor da Vida, volumes I e II” diz que Hermes Trimegistus antes de ter sido um cidadão do Egito Antigo, foi um sacerdote em Atlântida. De seus conhecimentos exotéricos nos chegou uma compilação de idéias que foram reunidas em um livro chamado “THE KYBALION”. Lá, Hermes Trimegistus nos explica como se faz a alquimia mental de transmutação de pensamentos em nosso favor. Ele explica o princípio do todo, da correspondência, da vibração, da polaridade, do ritmo, da causa e efeito e do gênero. Hermes Trimegistus foi um dos homens mais sábios da humanidade e foi ele quem deu as diretrizes para todo o estudo da alquimia, da astrologia, das runas, das cartas de tarot e do misticismo em geral. Por sua capacidade intelectual e pela falta de registros de sua vida na Terra, ele foi endeusado nas figuras de “Thoth” no Egito e “Hermes, o mensageiro” na Grécia. O mesmo pode ter ocorrido aos seres primitivos, em especial  aos Anunnaki/Nephilim, caso tenham mesmo passado por aqui. No final fica a critério de cada um escolher em qual de todas as lendas acreditar. Ou não acreditar.

 Mão Gigante do deserto do Atacama (Arte)

 Gigante de Dyer ( Mistério)

  E os seres estelares? Pois bem. Einstein propôs a teoria da relatividade. Assim, para falar dos seres estelares, eu vou propor a “teoria da despretensão”. Cientificamente já foi comprovada a existência de várias galáxias no universo como Andrômeda, M33 e as Nuvens de Magalhães, fora as infinitas constelações de estrelas próximas e distantes do planeta Terra. Dentre essas milhões galáxias e seus sistemas de estelares, temos uma linda estrela localizada na Constelação Cão Maior chamada Sirius. A estrela Sirius encontra-se a uma distância de  8.57 anos-luz da Terra, e é considerada maior e mais brilhante que o nosso sol. Passa que quando vamos à praia quem doura a nossa pele é o sol e não a estrela Sirius. Isto ocorre porque o sol está próximo de nós, portanto é dele que sofreremos influência, ainda que a outra estrela seja maior e mais brilhante. Se explosões de estrelas estiverem ocorrendo no ponto mais extremo da nossa galáxia Via-Láctea no mesmo instante em que a lua estiver cheia, será a lua cheia que vai influenciar as marés e não as explosões das estrelas distantes. Tudo depende da proximidade do objeto. Um palito de fósforo pode queimar nossa mão enquanto o incêndio mais desastroso do outro lado do mundo não causará nenhum dano ao nosso corpo físico. Entretanto se este incêndio desastroso estiver sendo transmitido pela TV, isso poderá causar compaixão em nosso corpo emocional porque o ser humano reage a tudo que vê e a tudo que lhe toca diretamente. Isso é a lei da ação e reação, ela é universal e atinge o reino animal, vegetal e mineral. Por outro lado, não é porque o sol doura a nossa pele e porque não sofremos a influência direta da estrela Sirius, que isso faz com que ela deixe de existir. Ainda que o ser humano tenha a tendência de acreditar só naquilo que vê, que ouve e que de alguma maneira lhe toca, o universo é infinito e o planeta Terra é apenas uma minúscula bolinha flutuante incapaz de perceber todas as coisas que se passam ao redor deste espaço sem fim de estrelas. Voltando à minha “teoria da despretensão” uma vez que está cientificamente comprovada esta imensidão de estrelas, constelações e galáxias, não seria óbvio pensar que essa imensidão necessariamente deveria ser habitada por mais seres além de nós? Que só porque não temos contato direto com eles, isso não faz com que deixem de existir? E não seria também muita pretensão nossa, que não passamos de grãozinhos de areia dentro dessa bolinha flutuante no espaço, acharmos que estamos sozinhos nesse universo tão infinito? Partindo dessa teoria, vamos imaginar que estes seres existam. Se nós desenvolvemos a mecânica, a engenharia, a tecnologia, a literatura, a filosofia e tantas outras vertentes do conhecimento, não seria possível que estes seres também tivessem desenvolvido? Não seria possível que em outras dimensões e outros níveis astrais estes seres tivessem desenvolvido, por exemplo, a música? Agora irei complicar um pouco mais a minha  “teoria da despretensão”. Nós, seres humanos habitantes da Terra, desenvolvemos a espiritualidade. Tivemos em nosso planeta vários profetas, guias e seres elevados que foram posteriormente santificados por uma de nossas instituições terrenas chamada igreja. E pela questão da proximidade geográfica que já comentei, cada ser humano foi tocado mais diretamente pelo guia que estava mais perto. Para um ocidental, por exemplo, é mais comum acreditar em Jesus do que em Maomé. É mais comum dizer que o islamismo não é obra divina, ainda que Maomé não tivesse culpa nenhuma de toda a matança que a religião cometeu em seu nome. Do mesmo modo e também pelo mesmo motivo da proximidade geográfica, quem está lá no Oriente Médio dá mais credibilidade a Maomé que a Jesus e deve dizer a mesma coisa sobre a matança que o cristianismo deste lado do planeta também cometeu em nome de Jesus. Já comentamos anteriormente sobre as polaridades e que para cada feixe de luz exite uma sombra. A propagação da luz do sol, refletida onde quer que seja, irá produzir uma sombra. Do mesmo modo, nossa luz interior também irá produzir sombra onde quer que ela seja propagada. Por isso acredito que tanto Maomé quanto Jesus tiveram seu valor e a luz interior que eles propagaram produziu a sombra que era prevista. E o mesmo passou com todos os profetas do Extremo Oriente, da Africa, das Américas e de todos os lugares da Terra. A luz interior propagada também produziu sombra, porque essa é a lei da natureza e porque equilibrar as forças é a nossa missão evolutiva neste mundo. Assim todos eles, próximos ou distantes geograficamente, merecem o nosso respeito. Jesus, Maomé, Buda, Saint German, Confúcio e todos os outros profetas, salvadores e guias espirituais que passaram na Terra, tiveram sua razão de vir. E cada um deles, num ponto geográfico diferente, tocou um certo número de pessoas e cumpriu a sua missão.

Muita Luz,

Edgar Martins

Fonte: https://divawitchtarot.wixsite.com/entrepreneur-blog-pt/single-post/2015/11/05/OS-ACESTRAIS-DA-TERRA-E-OS-SERES-ESTELARES

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário abaixo:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!