Todos os Artigos Edgar Martins

TREINAMENTO E INICIAÇÃO COMO SACERDOTE DA ORDEM DE MELCHIZEDEK -PARTE III

MELCHIZEDEK EM SHAMBALAH

Melchizedek é um personagem da mais alta expressão nas escrituras Sagradas que, velada ou manifestamente, sempre esteve e estará a frente dos movimentos aceleradores da evolução humana. Uma antiga tradição afirma a existência de uma igreja secreta, cujo sacerdócio se revela de ciclo em ciclo de acordo com a necessidade da época. Traz um conhecimento próprio para cada raça ou povo de forma particular, mais favorável, mais acessível para o cumprimento e restabelecimento da Lei, do Propósito Divino. A esse conhecimento, a tradição de todos os povos relaciona o Espirito da Verdade, como a manifestação de um Centro Imperecível, consagrado pelos orientais sob os nomes de Agartha, Asgardhi, Erdemi, ou Salem. (Shamballah é a “Ilha imperecível que nenhum cataclismo pode destruir”).

Todo ser iluminado, como um Avatar ou por Iniciação, desde que esteja de posse do conhecimento de certos mistérios, faz parte do Culto que tem o nome de Ordem de Melchizedek, que esta acima de todas as manifestações religiosas. Tal culto sempre existiu, como ciência divina e a mais preciosa de todas as religiões, porque verdadeiramente torna a ligar o homem a Deus, sem necessidade de sacerdote nem de qualquer outro intermediário. “Busca dentro de ti mesmo o que procuras fora”, a velha sentença oriental. E o próprio Jesus dizia: “Faze por ti que Eu te ajudarei”.

A Tradição Rosacruz afirma que o destino da humanidade é regido por uma classe de Adeptos superiores, os quais designamos de acordo com as correntes e as épocas; Monges Brancos, Superiores Desconhecidos, Chefes Secretos, Os Sábios Companheiros da Torre, Mestres Ascencionados, etc. São chamados genericamente de Jinas ou “Conquistadores Espirituais”. O escritor teosófico Roso de Luna, afirma que a primitiva “Ciência Jina” foi transmitida a humanidade desde a época da Atlântica, ou seja: muito antes do período chamado histórico.

Os Adeptos Jinas são alegadamente humanos avançados com poderes sobre-humanos e transcendentais que completaram seu ciclo de evolução neste planeta. São reconhecidos como seres altamente espiritualizados de muitos planetas do Universo, inclusive do Planeta Terra. Esses grandes espíritos de um caráter Superior são extremamente sábios, expressando a divina inteligência muito além da nossa mortal compreenção. Eles sempre trabalham como um Todo, como o UM. São eles os Mestres Perfeitos que um dia renunciaram ao Nirvana, com o propósito de auxiliar a humanidade e protege-la dentro dos limites kármicos.

No ocultismo teosófico os Jinas são também denominados de “Mestres da Grande Loja Branca”. “Grande” porque tal era a amplitude de seu contato com a divina fonte cósmica, cujo intermediário era o “Grande” Sacerdote e Rei Melchizedek. “Loja” por derivar da palavra Logos, indicando assim que a expressão do Verbo, ou Logos, representava a única verdade. “Branca” como símbolo de pureza e para comemorar o fato desta loja emanar da Ilha Branca, a atual Shambalah, assim como da Terra Sagrada do Norte, que foi verdadeiramente o primeiro berço daqueles que mais tarde iriam habitar a Ilha da Beleza de Gobbi. Aqui devemos esclarecer que a tradição tibetana afirma que o primeiro cume que emergiu das águas em direção à luz do sol foi o monte Meru, o Pólo Norte, a imorredoura Terra Sagrada que foi chamada Ilha Branca (Shvetadvipa).

A Grande Loja Branca (G.L.B) está localizada num centro desconhecido para os profanos, o qual é referido sob os nomes de Santo Império, Centro do Mundo, Avalon, Colégio do Espírito Santo, Cannaã, a Região dos Bem Aventurados como chamava Platão. Na Tradição Oriental este lugar é conhecido como Shambalah. Muitos ocultistas afirmam que Shambalah é um reino etérico situado em algum lugar do grande deserto de Gobi.

Em Shambalah estariam reunidos (mística ou corporalmente), os membros da Grande Loja Branca regidos por Melchizedek, chamado Rei ou Senhor do Mundo. Assim sendo, Shambalah é a morada dos Jinas que vivem em seu corpo de emanação/ilusão (nirmanakaya) na quarta dimensão da natureza ou “Mundo Jinas”.

Para os sacerdotes da Ordem de Melchizedek, Shambalah é o lócus supramundano (no astral e no centro da alma humana), onde a Vontade de Deus é conhecida. Assim sendo, Shambalah é a região metafísica que expressa a energia da Vontade e Poder, que na mitologia hindu é Shiva. Shiva representa a energia de Shambalah. É a Primeira “Pessoa” da Trindade Cósmica (Pai, Filho e Mãe). Expressão do Aspecto Vontade e Poder do Logos. Atualmente, a energia de Shiva é a mais expressiva no Planeta, pois atua como elemento destruidor do que apresenta-se defasado, superado e, ao mesmo tempo, atua como elemento renovador, reconstrutor, selecionando o que há de bom e útil no antigo, para aproveitá-lo e aplicá-lo em uma nova etapa de investimento evolutivo do Logos.

Shambalah também recebe energias de diversas Entidades Solares e extra-solares. É lá que o Desígnio do Logos Planetário é conhecido e encarnado sob a impressão meditativa do grupo que conhece Sua vontade e que maneja a lei da síntese. Em seguida, em seu próprio nível de atividade atômica, Eles constroem – pela meditação contemplativa – um vasto reservatório de energias poderosas, impregnadas das características energéticas dos Sete Raios Cósmicos emanados dos sete representantes do desígnio Divino, ou os Sete Grandes Mestres da Criação: Cassiel, Miguel, Samael, Rafael, Sachiel, Haniel, Gabriel. Assim, cada Arcanjo rege um raio de Luz e o projeta através dos sete corpos planetários, que são seus veículos físicos, na aura do Logos Planetário e no seu corpo manifestado, a Terra.

A Sabedoria Jinas não pertence a nenhuma religião secular, a nenhuma fraternidade mística ou ocultista, pois nem o Misticismo, nem o Ocultismo são a senda da espiritualidade pura e simples. A verdadeira espiritualidade é a consciência da unidade entre todos os seres, a identificação real com a Mente Universal ou Consciência Cósmica que tudo inclui etc; verdade filosófica que os Mestres proclamam desde os primórdios.

Nos conta Dion Fortune em seu livro “A Doutrina Cósmica – Ed. Pensamento” :

“Quem são os Mestres? Seres humanos como vocês, mas mais velhos. Não são Deuses, nem Anjos, nem Elementais, mas indivíduos que iniciaram e completaram a mesma tarefa que a vocês foi atribuída. O que vocês são agora, eles já o foram. O que eles são agora, vocês poderão sê-lo”.

Obs: A palavra “Logos” substitui a palavra “Deus” por sua praticidade. Em nossa cultura associamos a palavra “Deus” a convicções sectárias além de ser um termo vago para o propósito das práticas esotéricas. Por sua vez “Logos” é uma palavra grega que significa “verbo ou razão”, ou seja, é um termo que designa a Divindade. Existe o Logos Universal e o Logos Demiúrgico ou Manifestado, com seus Sete Logos Planetários. Entretanto, como dito acima, o termo Logos é usado mais comumente para designar a Divindade Manifesta, o Ishvara (Deus) de um Sistema Solar.

DESEJA INICIAR-SE NO SACERDÓCIO DA ORDEM DE MELCHIZEDEK ? SEGUE O CAMINHO: 

https://escolaflordavida.eadplataforma.com/curso/sacerdcio-na-ordem-de-melchizedek-1-2-e-3-domnios/

ESTUDO TAMBÉM O 4 DOMÍNIO DO SACERDÓCIO DA ORDEM DE MELCHIZEDEK

https://escolaflordavida.eadplataforma.com/curso/sacerdcio-na-ordem-de-melchizedek-4-domnio/

Muita Luz,

Edgar Martins

Fonte: https://melchizedec.wordpress.com/

Sobre o autor | Website

Deixe um comentário abaixo:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!